Home » Opinião » O dia do provedor

O dia do provedor

 

Por Ciro Antonio Rosolem, Vice-Presidente de Estudos do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor Titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu).

 

No dia 28 de julho comemora-se o Dia do Agricultor. Cerca de 10.000 anos atrás o homem começou a domesticar plantas e animais, deixando, aos poucos, de ser nômade. Há cerca de 9.000, foram domesticados porcos, ovelhas e cabras, e o gado foi domesticado 1.000 anos mais tarde. O início da agricultura marca o início da civilização como a conhecemos hoje. O desenvolvimento da agricultura, permitindo a previsão de quais alimentos, quando, quanto e onde estariam disponíveis, resultou no aparecimento das primeiras aglomerações urbanas, as cidades. Assim, mudando o hábito alimentar da população, os agricultores mudaram a civilização.

No Brasil, o imperador D. Pedro II, brilhante estadista e incentivador da agricultura e da pesquisa agrícola, criou a Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, embrião do atual MAPA, no dia 28 de julho de 1860. Por ocasião do centenário da criação do Ministério, em 1960, o então presidente Juscelino Kubitschek determinou que no dia 28 de julho passasse a ser comemorado o Dia do Agricultor. E realmente há o que comemorar.

A economia brasileira é considerada a oitava maior do mundo, e o Brasil é o segundo maior fornecedor de alimentos e produtos agrícolas. É líder global em cana-de-açúcar, o maior exportador de café, suco de laranja, frango, tabaco, grãos e farelo de soja. É o segundo maior exportador de milho e óleo de soja, e terceiro em carne bovina e suína. Mas, enganam-se, ou querem enganar, os que insistem que isso prejudica o suprimento interno de alimentos. De acordo com a FAO (Food and Agriculture Organization), um país atinge segurança alimentar, ou seja, produz alimento suficiente para sua população, quando produz 250 Kg de grãos por habitante. Assim, os agricultores brasileiros, hoje produzindo mais de 1.000 kg de grãos por habitante, alimentam mais de quatro vezes a nossa demanda doméstica. O agricultor brasileiro matando a fome do mundo.

O desenvolvimento de tecnologia agrícola tropical, adequada às nossas condições, permitiu a conquista do Cerrado e o crescimento vertiginoso da produção nas regiões tradicionais. Apenas nos últimos 30 anos, a área cultivada no Brasil aumentou 74%, enquanto a produção de grãos cresceu 218%. Sem tecnologia, os agricultores brasileiros estariam cultivando mais de 110 milhões de hectares hoje. Isto significa que a tecnologia brasileira empregada pelos fazendeiros salvou mais de 50 milhões de hectares de florestas e outros biomas, área maior que muitos países do mundo.

Enquanto a produção agrícola crescia rapidamente, os fazendeiros brasileiros sempre estiveram atentos à preservação dos biomas, conservação ambiental e sustentabilidade. A vegetação natural preservada em propriedades privadas representa mais de 20% do território nacional. Para se ter uma ideia, os parques nacionais e áreas protegidas pelo governo não passam de 13% de nosso território.

Lógico que os desafios ainda são enormes. Mas não há desafio tão grande, nem agricultor tão pequeno que não possa enfrentá-lo. Então, viva o agricultor brasileiro!

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto. 

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico. 

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas. 

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*